fbpx

[E-book] Como projetar um espaço de convivência para escritórios

1. Introdução

Com a compreensão cada vez maior de que as interações e o bom relacionamento estabelecido entre os colaboradores que integram o quadro de pessoal podem fazer toda a diferença para o crescimento sustentável de uma empresa e o atingimento de melhores resultados, os espaços de convivência vêm sendo valorizados ao máximo. Afinal, é nesses ambientes que os funcionários têm a oportunidade de trocar experiências, o que fomenta novas ideias, melhorando o espírito de equipe e aumentando a produtividade.

Inclusive, companhias de grande porte — como Google e Facebook — já têm essa percepção há bastante tempo e por isso incluem nos seus projetos arquitetônicos corporativos diversas áreas de convivência, além de manterem locais de trabalho mais informais e despojados. Tudo isso colabora para a criação de uma atmosfera mais saudável, auxiliando também na integração entre os profissionais.

Assim, pode-se dizer que temos uma tendência a ser explorada nas projeções de escritórios. Em razão disso, neste e-book, nós vamos explicar mais a fundo o conceito dos espaços de convivência, por que são tão importantes, o que é fundamental priorizar nessas áreas, entre outros aspectos. Boa leitura!

2. Qual é a importância de um espaço de convivência para um escritório?

Nos últimos anos, é possível afirmar que temos visto uma mudança radical do pensar um ambiente de trabalho. Vivemos uma era de alta globalização, com mercados extremamente competitivos, em que as organizações se viram diante da necessidade de inovar para permanecerem em atividade e crescimento.

Nesse sentido, além da relevância de priorizar a manutenção da qualidade de vida dos colaboradores, a essencialidade do fortalecimento da relação entre empregador e empregados foi constatada. Surgiu, então, o questionamento: de que forma promover a socialização e a colaboração entre os times? A resposta se mostrou simples: com a projeção de uma área física que propicie essa troca.

Resumidamente, os espaços de convivência funcionam como uma espécie de válvula de escape para que os trabalhadores possam fazer pequenas pausas para descansar, distrair-se e interagir com os seus pares. Dessa maneira, além de perceber ganhos significativos em eficiência, o negócio passa a contar com uma equipe mais fortalecida e unida. Contudo, os benefícios não cessam aí, já que também é possível observar:

  • desenvolvimento da criatividade;
  • melhora da comunicação interna;
  • redução de conflitos, da tensão e dos níveis de estresse;
  • melhora do clima organizacional;
  • aumento da capacidade de concentração dos profissionais;
  • diminuição do absenteísmo;
  • mitigação da evasão de talentos do quadro de pessoal;
  • melhora da imagem empresarial.

2.1 A projeção das áreas de convivência

Assim como os demais espaços, as áreas de convivência demandam um bom projeto arquitetônico — bem-feito e que priorize o bem-estar dos funcionários —, que seja pensado para receber bem os colaboradores nas pausas durante o expediente. Nesse contexto, é indispensável que o lugar promova a sensação de conforto e de aconchego, também estimulando interações entre os profissionais.

Além disso, um aspecto importante a se considerar na projeção desses ambientes é que, geralmente, esses locais disponibilizam mesas e cadeiras para refeições, geladeiras, micro-ondas, cafeteiras e mobiliários que tragam leveza e proporcionem relaxamento, como puffs e sofás, entre outros.

3. Como escolher um espaço para ambientes de convivência?

O primeiro ponto a se ter em mente é que não é necessário que a empresa seja de grande porte para que uma área de convivência seja projetada: até pequenos empreendimentos podem ter um ambiente destinado a períodos de descontração. Entretanto, o ideal é que o espaço — mesmo que seja pequeno — não pareça apertado. Do contrário, em vez de relaxarem, os usuários podem ficar ainda mais tensos, inclusive com a sensação de claustrofobia.

Além disso, é preciso levar em conta que o local deve ser adaptado a fim de oferecer não somente conforto, mas também conectividade. Pensando nisso, a seguir, elencamos uma série de dicas-chave que o auxiliarão a projetar uma área que consiga unir o melhor dos dois mundos!

3.1 Conheça o seu contratante e compreenda a fundo as suas necessidades

Como o próprio nome já “entrega”, um espaço de convivência receberá profissionais de diversos setores de uma empresa, com diferentes perfis e que ocupam posições hierárquicas distintas. Logo, é indispensável que o ambiente consiga atender a preferências e necessidades variadas — portanto, é indicado que você faça um estudo da organização contratante para entender quem serão os usuários da área e como conquistá-los.

Uma ótima alternativa nesse sentido é, se possível, buscar dialogar com os responsáveis pela criação do local. Assim, você poderá coletar informações acerca dos costumes e dos gostos, entre outros aspectos, dos profissionais que o frequentarão, afinal, é essencial que todos se sintam à vontade e igualmente valorizados.

3.2 Dê prioridade à projeção de um lugar aconchegante e confortável

Para viabilizar o alcance de insights positivos, é importante que os colaboradores estejam em um ambiente que seja favorável a isso, como as áreas de convivência. Por isso, uma dica muito válida é formatar o local de modo que meios de descanso diferentes possam ser dispostos, como puffs, sofás, poltronas etc., já que cada um tem um jeito de aproveitar melhor o seu tempo de pausa.

Além disso, como dito, é comum que esses espaços também disponibilizem lanches e mobiliários para a realização de refeições. Portanto, considere a disposição desses móveis de maneira que facilitem o dia a dia dos usuários.

3.3 Sugira a utilização de mobílias funcionais que promovam uma conexão maior

É interessante lançar um olhar sobre os espaços de convivência de modo a perceber que eles podem ir — e vão — além meros locais para viabilizar as pausas ao longo do expediente. Nesses ambientes, sempre existe a possibilidade de se conectar com outras pessoas, de trocar experiências profissionais com os pares e de dar aquela conferida nas redes sociais, por exemplo.

Nesse sentido, é inegável que smartphones, notebooks e outros dispositivos são grandes aliados dos trabalhadores. Por essa razão, quando se trata de mobílias funcionais, a ideia é o investimento em meios que facilitem a conexão dos usuários (e dos seus equipamentos móveis) ao local, trazendo mais inovação e tecnologia para o espaço corporativo.

Atualmente, os móveis que oferecem opções de carregamento para os eletrônicos, por exemplo, vêm sendo muito valorizados, do mesmo modo que os totens e as réguas rotativas para mesas que trazem portas USB e tomadas. Diante disso, é indispensável que você foque as soluções que ajudarão a empresa a se manter preparada para o futuro.

3.4 Aposte em espaços “instagramáveis”

Não há como falar em se preparar para o futuro sem levar em conta uma tendência que vem se tornando cada vez mais forte: a postagem de fotos em ambientes instagramáveis nas mídias sociais. Nesse caso, trata-se de uma grande oportunidade que, muitas vezes, pode passar despercebida, logo, ter atenção a esse aspecto nos seus projetos tem o potencial de destacá-lo como profissional entre os demais.

Uma boa aposta nesse sentido é pensar as áreas de convivência a fim de torná-las artisticamente interessantes, lembrando-se de posicionar estrategicamente o logo do negócio, por exemplo. Assim, por meio das publicações nos próprios perfis — geralmente, marcando também a empresa —, os funcionários a promoverão organicamente e de forma proativa, o que acaba por funcionar como uma divulgação gratuita, que melhora a imagem da marca empregadora.

3.5 Dê asas à sua criatividade e direcione as cores

Os espaços de convivência devem ser diferenciados, com um design criativo e referências descontraídas. Nesse contexto, ao projetá-los, busque garantir que todos os elementos presentes contribuam para o descanso do corpo e da mente, sem deixar de lado, é claro, a identidade visual da companhia.

Além disso, oriente os ambientes tanto para proporcionar períodos de relaxamento quanto para despertar a criatividade e estimular a interação dos times, como dito. Uma boa pedida pode ser mesclar — em áreas diferentes do local — cores mais quentes e provocantes e tons mais calmos e neutros.

3.6 Integre a natureza

Os ambientes verdes promovem uma série de benefícios para o nosso organismo. A atmosfera revigorante da natureza e a sua tranquilidade representam fatores que contribuem significativamente para um desenvolvimento — tanto profissional quanto humano — mais equilibrado, valorizando a consciência ecológica.

Nesse sentido, caso a empresa disponha de um local a céu aberto, como um terraço, uma varanda ou um jardim, pode ser superinteressante usá-los para dispor sofás, poltronas, cadeiras e até ombrelones. Apenas se certifique de que os móveis apresentam as dimensões adequadas à área e são fabricados com uma matéria-prima que pode ser exposta a diversas condições climáticas.

Além disso, ao apostar em vasos com plantas para escritório, lembre-se de optar por espécies que não exijam muitos cuidados, demandando, por exemplo, a contratação de um profissional apenas para esse fim.

3.7 Foque a elevação da produtividade

Durante a projeção dos espaços de convivência, lembre-se de que um dos propósitos do contratante é aumentar a produtividade do seu quadro de pessoal — apostando, principalmente, na promoção do bem-estar com essa finalidade. Assim, na elaboração do projeto, priorize:

  • utilizar uma iluminação apropriada (preferencialmente em tons mais amarelados, que oferecem um clima mais intimista e ajudam a relaxar;
  • estimular os usuários do local a preservá-lo limpo, dispondo estrategicamente lixeiras para resíduos orgânicos e recicláveis.

4. Quais são os itens indispensáveis para uma boa área de convivência?

Ao elaborar o projeto de um espaço de convivência, é fundamental que você tenha em mente que a ideia é justamente “quebrar” aquela atmosfera de ambiente corporativo. Assim, o mais indicado é apostar em itens que evitem a monotonia, considerando mobiliários multifuncionais e com uma pegada mais moderna e prática — se possível, adaptáveis a novas configurações, que podem fazer mais sentido com o passar do tempo.

Para ajudá-lo nessa missão, a seguir, elencamos excelentes alternativas que vale a pena considerar para a composição do local.

4.1 Móveis confortáveis

Nos espaços de convivência, como temos reforçado neste material, quanto maior for a interação entre os profissionais, independentemente do conteúdo das conversas, maior será também a produtividade. Assim, uma boa pedida é apostar em mobiliários que funcionem bem tanto para uma pausa relaxante das atribuições quanto para um bate-papo mais reservado.

O Vip Smart, da categoria “Life Work” da F.WAY é um bom exemplo, já que representam verdadeiras ilhas que unem conforto e privacidade. Além das suas laterais revestidas e rígidas, que favorecem a acústica, o móvel apresenta um painel para multimídia com sistema elétrico embutido e assentos com espuma em poliuretano de alta densidade, preservando a ergonomia.

No que diz respeito, por exemplo, à possibilidade de os funcionários aproveitarem o lugar para realizar refeições, a seleção cuidadosa de mesas e assentos é fundamental. As mesas Jelly — combinadas com um conjunto de assentos modulares — auxiliam na promoção de um ambiente altamente colaborativo e integrativo. As suas formas arredondadas e lúdicas se complementam em uma linguagem única de design e é possível optar por variadas configurações, de acordo com as dimensões disponíveis.

Além disso, os assentos são acompanhados por mesas laterais em aço e pela mesa baixa Jelly Bag, que dispõe de um compartimento para o armazenamento de gadgets e/ou revistas.

Já em se tratando de garantir mobiliários para o descanso dos colaboradores, o móvel Wave se revela uma incrível opção, combinando módulos côncavos, retos e convexos, explorando todo um universo de possibilidades com um design versátil e atemporal. Ou seja, trata-se de uma alternativa que se adapta bem a qualquer desafio arquitetônico.

Em proposta similar, favorecendo a interação livre entre os usuários, destaca-se o Puff Square, que se baseia no conceito da trigonometria e tem um desenho que envolve inteligência e ergonomia.

4.2 Jogos

Os jogos são excelentes apostas para que os profissionais consigam descansar a mente e se distrair, contribuindo para que eles retornem às atividades mais criativos e motivados. Além disso, funcionam como uma boa alternativa para a promoção da interação entre os usuários. Nesse contexto, vale sugerir ao contratante a disponibilização de mesas de bilhar, jogos de tabuleiro, dardos e mesas de ping pong, por exemplo.

4.3 Televisão

As TVs representam mais um meio positivo de distração, auxiliando os colaboradores a relaxarem durante um bate-papo descontraído nos espaços de convivência, por exemplo. Inclusive, é possível cogitar a exibição contínua de programações de comédia, que ajudarão na redução dos níveis de estresse dos trabalhadores.

5. Conclusão

O descanso é fundamental para a manutenção da produtividade em um ambiente de trabalho. Por isso, cada vez mais, os espaços de convivência vêm sendo valorizados e ganhando popularidade entre as organizações, de pequenos empreendimentos a grandes empresas. Nesse sentido, se você trabalha com esse público, é fundamental se ajustar a essa tendência que está ganhando força e saber como projetar essas áreas de forma a unir conectividade e conforto.

Além disso, lembre-se de que é fundamental contar com uma marca que seja referência em inovação, a exemplo da F.WAY, que se baseia em décadas de experiência em processos de produção consolidados, com olhar para o presente e uma abordagem contemporânea no campo do escritório. 

E então? Quer aproveitar para conhecer as nossas soluções projetadas para apoiar o seu cliente na busca por um local para criar, produzir e — por que não — relaxar? Visite o nosso site institucional!

guia para projetistas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?